Foi-se o tempo em que cereais, além do tradicional arroz e feijão dos brasileiros, eram vistos com ressalvas, ingredientes típicos de cardápios vegetarianos. Hoje os benefícios dos cereais e grãos são amplamente conhecidos e esses alimentos estão cada vez mais presentes na lista de compras de quem busca viver com saúde e qualidade.

Entre as muitas variedades de grãos e cereais, a nutricionista clínica e esportiva, Juliana Pansardi, de Cascavel (PR), destaca a linhaça, que além de possuir propriedades anti-inflamatórias, ser fonte de minerais e de ômega-3, que auxilia na manutenção do ritmo cardíaco, também contribui na redução do estresse muscular causado pelo exercício. “Outro bom cereal é a quinua, rica em aminoácidos essenciais e proteína. No geral, todo cereal é bom, mas deve ser consumido no momento adequado e na medida certa.”, ensina.

Patrícia Almeida, nutricionista carioca, aumenta a lista dos “grãos de saúde” com a aveia, o trigo, o milho, o arroz integral, centeio e a cevada. Todos são carboidratos com grandes concentrações de fibras que em contato com a água formam um gel que torna a absorção do açúcar mais lenta. “Eles também são ricos em zinco, magnésio, fósforo e participam das contrações do miocárdio, reduzindo a arritmia cardíaca”, explica a especialista, ao comentar que esses seis cereais prolongam a sensação de saciedade e aumentam a excreção da colecistocinina, agente redutor de apetite. “Graças aos fitoesteróis presentes, eles agem na diminuição e na absorção da gordura corporal e do colesterol.”, completa.

Quando consumir?

– antes da corrida (até 60 minutos) – os mais indicados são os cereais e grãos com índice glicêmico baixo ou médio, como o grão de bico, a cevada, as lentilhas, o arroz, o milho, as barras de cereais e o pão de centeio integral, pois manterão os níveis de energia no organismo

– pós-corrida – aqueles com alto índice glicêmico para uma rápida reposição de energia são os mais indicados. Exemplos:  flocos de milho, sopa de ervilha verde, arroz integral