Praticar uma atividade física é bom em qualquer estação, mas no verão tudo fica diferente. Praticar corrida no verão é ainda mais gostoso. Calor, dias mais longos, energia extra, pessoas bonitas se exercitando pelas ruas, parques e praias. Para muitos este ainda é o momento das férias, o que permite treinar em diferentes lugares. Entretanto, devem ser tomados alguns cuidados específicos,pois a temperatura, os ambientes e até mesmo a empolgação extra podem colocar tudo a perder.

O ortopedista Lucas Busnardo Ramadan, especializado em medicina esportiva, lembra que os cuidados com sol também não podem ser esquecidos, “por melhor condicionado que seja o atleta, o horário ideal para correr é fora do pico de maior intensidade dos raios solares, o melhor é treinar até as 10 horas da manhã e após as 16 horas.”

O médico Gustavo Magliocca, do Care Club, clínica especializada em medicina esportiva, sugere que o corredor que treinar na praia prefira superfícies mais planas. “Se for correr no asfalto, use tênis com boa estrutura de amortecimento. Quem optar pela areia dura deve usar um modelo mais leve, macio e com tecnologia para não encharcá-lo”. Magliocca faz ainda um alerta quanto à empolgação, pois nesta época do ano é muito comum as pessoas “exagerarem na dose”. “O correto é fazer uma progressão consciente da atividade física”, acredita o médico.

Quem planeja começar a praticar esporte neste verão, o primeiro passo é submeter-se a avaliação médica. Estando apto, basta respeitar os limites do corpo e entregar-se ao prazer da corrida. “Fazer aquecimento antes e depois das corridas também é uma regra que deve ser respeitada”, aponta Radaman.

É importante ainda que os corredores usem roupas apropriadas, de preferência com tecidos que permitam a troca de calor. Moleton nem pensar! Além de pouco saudável e inadequado não é nada confortável.

Aos esportistas que ficarão na cidade, a sugestão é aproveitar para ir a parques e ou locais com bastante área verde e segurança. “Os cuidados com a saúde servem para qualquer ambiente. Certifique-se de estar bem hidratado, protegido contra os raios nocivos do sol e com a roupa adequada”, diz Magliocca. Se aparecerem dores musculares ou nas articulações, evite a automedicação e não insista nas corridas, pois isto pode agravar tendinites e artrites, por exemplo.

Hidratação

A nutricionista Roseli Rossi, de São Paulo, orienta os atletas para que consumam maior quantidade de liquidos, principalmente água, para suprir a perda por meio da transpiração. Para se manter bem hidratado, Roseli recomenda de dois a três copos de água duas horas antes da atividade e mais três copos de cinco a dez minutos antes do início do exercício.

“Também é fundamental consumir alimentos ricos em carboidratos pelo menos 30 minutos antes de começar a corrida. Dependendo da intensidade e tempo da atividade, pode-se ainda associar proteínas de baixo teor de gordura e um de gordura boa.” Ela cita como exemplos banana prata, vitamina de mamão com leite de soja ou iogurte natural desnatado e semente de linhaça. Segundo a nutricionista, é indicado evitar o consumo de proteínas de difícil digestão, como o leite de vaca. Caso o treino não ultrapasse 60 minutos e tenha baixa intensidade, é suficiente ingerir apenas água. Para treinamento com tempo superior a uma hora, são necessárias bebidas energéticas. “Água mineral e isotônicos como água de coco, são ideais, pois facilitam a transferência de nutrientes para o sangue, garantindo melhor hidratação e reposição de carboidratos e sais minerais perdidos pela sudorese”, afirma Roseli Rossi.

Além da reposição da água e dos eletrólitos, no máximo uma hora depois da corrida, é importante ingerir carboidratos e proteínas. Os primeiros são usados como fonte de energia para a corrida e, os últimos, são fundamentais na regeneração e reconstituição dos tecidos lesionados durante o exercício. “Batatas, ovos mexidos, suco de laranja são boas opções, assim como iogurte com aveia e banana.”