Foi-se o tempo que comer chocolate era visto como um erro na dieta saudável. Felizmente! Graças à ciência, ao longo dos últimos anos a tentação de cacau deixou de ser abominada. Pelo contrário, hoje muitos dos benefícios do chocolate são exaltados, e comprovados por pesquisas científicas realizadas em diferentes partes do mundo.

Até os esportistas ganharam aval para consumir chocolate após treinos. Estudo realizado na Universidade James Madison, nos Estados Unidos, confirmou que o consumo de leite achocolatado light ajuda na recuperação muscular. Mais do que isso: pode ser mais eficaz que os suplementos esportivos à base de carboidratos.

Testes realizados em jogadores de futebol demonstraram um menor dano muscular nos atletas que haviam consumido a bebida no lugar de suplementos. O achocolatado leva a vantagem de conter outros nutrientes não encontrados nos suplementos. Além disso, é sabido que a proteína do leite atua na construção da chamada musculatura magra, reduzindo o dano causado pelo exercício ao músculo. Também ajuda na reidratação e fornece minerais essenciais para quem  pratica atividade física (cálcio, potássio e magnésio).

Outra pesquisa, dessa vez realizada na Universidade  do Texas, concluiu que  a mistura de leite com chocolate é a melhor bebida na recuperação pois combate o desgaste físico.

Apesar dos comprovados benefícios, especialistas alertam contra o exagero. O consumo indicado é de no máximo 30g. Quem está tentando perder peso, deve reduzir pela metade. Confira alguns dos benefícios do chocolate já comprovados:

Combate lesões cerebrais. Pesquisadores da Universidade de Hopkins, nos Estados Unidos, descobriram que uma substância presente apenas no chocolate amargo estimula um tipo de atividade cerebral que protege os neurônios de lesões.

Ajuda a emagrecer. Estudo da Universidade de Chung Hsing, em Taiwan, mostrou que os ácidos fenólicos presentes no cacau podem aumentar a produção do hormônio leptina, que aumenta a sensação de saciedade. Sendo assim, o chocolate pode ajudar você a sentir-se mais satisfeito e não exagerar na comida.

Outra pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia confirmou: pessoas saudáveis que praticavam exercícios físicos e comiam chocolate regularmente (duas vezes por semana) tendiam a ter menor índice de massa corpórea (IMC) do que aquelas que se exercitavam e comiam chocolate com menos frequência. Neste caso, é recomendado ingerir apenas 1 quadradinho de uma barra de chocolate meio amargo ou de chocolate negro por dia, durante o período matinal

Melhora o humor e diminui o estresse. O chocolate possui substâncias como triptofano, feniletilamina, fenilalanina e tirosina, que reforçam a sensação de bem-estar. Libera endorfinas que melhoram o humor e  agem contra a depressão. Pesquisadores suíços investigaram a relação entre o consumo diário de chocolate e o nível do hormônio cortisol, responsável pelo estresse. Os cientistas observaram que o índice baixou consideravelmente em todos os participantes que consumiam o doce, chegando a 40% de redução naqueles que sofriam com a ansiedade.

Aumenta o rendimento esportivo. Uma pesquisa publicada pelo Journal of Physiology, apontou que o consumo de pequenas doses do alimento traz importantes benefícios ao rendimento esportivo. Os pesquisadores descobriram que o chocolate, principalmente o amargo, possui um composto chamado epicatequina, capaz de aumentar o número de mitocôndrias nas células dos músculos, contribuindo para o crescimento  massa muscular e a redução da fadiga.

Faz bem ao coração. Cientistas da Universidade de Linkoping, na Suécia, descobriram que a versão amarga inibe uma enzima conhecida por elevar a pressão arterial. O resultado é atribuído às catequinas e procianidinas, antioxidantes encontrados no doce.

Mantém a saúde bucal. Apesar de contribuir para o processo de redução de desmineralização dos dentes,  ele protege o esmalte dentário por ser rico em proteínas, cálcio, fosfatos e outros minerais.  Segundo especialistas, o consumo de chocolate meio amargo e de alimentos a base de cálcio, além de frutas, fibras, hortaliças e grãos integrais previne cáries.