É só falar em corrida em esteira que a maioria dos corredores torce o nariz. Para muitos, corrida é para ser feita na rua. Esteira, mesmo na casa de atletas amadores ativos, tem grandes chances de virar cabide. Mas, o equipamento pode ser um grande aliado, principalmente,  quando as temperaturas começam a ficar mais frias. “Além de ajudar no inverno, a esteira também é indicada para treinos nos dias chuvosos ou quentes demais”, diz o treinador da Bioritmo, Flavio Prajelas, de São Paulo.

Mas não é só em função das condições climáticas que as esteiras podem (e devem) fazer parte da rotina dos corredores. “Ela possibilita um controle rigoroso sobre as variáveis da corrida (ritmo, inclinação, quilometragem, etc), dessa forma a meta proposta para o treino é mais facilmente respeitada”, lembra outro treinador paulistano, Emídio Peres, do Núcleo Salutem. Ele ressalta que na transição rua/esteira ou vice-versa devem ser observados alguns cuidados. “Da rua para a esteira existem trabalhos que sugerem o uso de 1% de inclinação para aproximar a exigência muscular que é feita na rua para a esteira, porém isso é válido para velocidades acima de 11Km/h. Já quando é da esteira para a rua, a transição deve ser gradual em relação ao volume e ao ritmo de treino. O asfalto é um piso mais duro e exige mais da parte músculos, ligamentos e articulações”.

Realmente elas oferecem algumas vantagens, além do conforto e treinos em ambiente protegido: o corredor não está sujeito a terrenos acidentados e ao risco de atropelamento/assalto, é possível controlar a velocidade e a inclinação de treino. No entanto, a morte do executivo americano David Goldberg, de 47 anos, diretor-geral do SurveyMonkey, no Vale do Silício, na Califórnia, trouxe à tona o risco de acidentes durante os treinos. O acidente ocorreu em maio, quando o marido da diretora operacional do Facebook Sheryl Sandber, faleceu, em decorrência de um traumatismo craniano seguido de hemorragia, ao cair de uma esteira. Infelizmente, esse tipo de ocorrência não é um fato tão raro. Estima-se que quase 70% dos acidentes com equipamentos de ginástica ocorram em esteiras.

Na maioria das situações, as consequências não são muito graves, mas ainda assim professores e treinadores se preocupam com o aumento de registros e com os equívocos em relação ao uso do equipamento. No ano passado, foram registrados mais de 24 mil acidentes esteiras ergométricas nos Estados Unidos. No Brasil não há estatísticas específicas, mas várias pessoas famosas têm sido vítimas desse tipo de acidente. Em 2010, a presidente Dilma Rousseff rompeu ligamentos ao cair da esteira ergométrica quando saia dela e teve de usar tala durante uma semana. No mesmo ano o padre Marcelo Rossi também teve problemas e, por conta dos ferimentos precisou usar cadeira de rodas durante um semestre. O apresentador Zeca Camargo também caiu durante os exercícios que tinha de cumprir ao participar do quadro Medida Certa, exibido pela Rede Globo.

Especialistas garantem que essas ocorrências devem ser motivo de atenção, mas não justificam, de forma alguma, que os atletas evitem usar esteira. “É preciso apenas tomar cuidado”, diz Flavio Prajelas. “Ao utilizar a esteira a pessoa deve estar sempre atenta ao exercício. Com as novas tecnologias, as esteiras estão cada vez mais interativas, com jogos, aplicativos, TV, música e, é claro, as tradicionais selfies de academia acabam desviando a atenção e ocasionando acidentes”.

Se sua intenção é começar a utilizar a esteira, o treinador Flavio Prajelas orienta que “para quem só faz caminhada, o indicado é começar com trotes leves intercalados com a caminhada, ir aumentando devagar o volume da corrida e diminuindo a caminhada. Nunca aumente a intensidade e volume do treino ao mesmo tempo, ou seja se aumenta a velocidade da corrida não deve aumentar o tempo e vice- versa”. “Quem é corredor mas não tem vontade de correr em dias frios sugiro, além de um bom agasalho, buscar a companhia de um amigo. Caso contrário, sem desculpas: já para a esteira e chega de preguiça”.

Cuidados importantes

  1. Evite falar no celular, enviar mensagens ou ler durante o exercício
  2. Evite o pulinho para as laterais, o melhor é pausar o movimento e sair traquilamente do aparelho
  3. Diminua a velocidade para beber água
  4. Ao sair da esteira, fique atento ao retornar, caso tenha ela deixado ligada
  5. Evite treinar com crianças ou animais por perto, eles podem distrair sua atenção
  6. Caso o tênis desamarre, saia do equipamento para amarrá-los
  7. Treine sempre sob a orientação de um profissional especializado