Semana decisiva, semana de prova, aí vem os 42k, está tudo definido, né? Não? Como não? Ah! O novo percurso está te deixando com dúvidas e receios? Então espera aí, que vou te ajudar…

A prova teve mudança no percurso. Isso merece atenção especial, pois com subidas e descidas assim, toda a preparação pode ser perdida com a escolha de uma estratégia equivocada. O novo percurso tornou a prova muito técnica e será necessária uma boa estratégia para terminar bem esse grande desafio.

O primeiro passo é definir se vai correr pra performance, pra tempo, pra completar ou pra curtir a prova. Qual é sua meta? Definir tecnicamente sua estratégia e o seu objetivo na prova é o fundamental, pois assim você corre menos risco de errar e a sua prova não será comprometida. Separei 4 sugestões para esse tipo de prova, que podem orientar e ajudar quem ainda esta indeciso com o tipo de estratégia a adotar.

Ritmado total: ritmar todo o percurso nesse tipo de prova é bem difícil, pois teremos muitas variações com subidas na primeira metade, tornando difícil manter pace constante. O desgaste será muito grande. Manter ritmo constante nessas condições poderá ser ruim. Recomendo esse tipo de estratégia para maratonistas experientes, fortes, bons em variações e que treinaram para isso.

Progressão de ritmo após 21k: para buscar o tão falado split negativo, ou seja, fazer a segunda metade da prova mais rápida do que a primeira. Você terá que ajustar muito corretamente o ritmo da primeira metade, para não cansar demais com as subidas e descidas dos primeiros 15 km e  para passar no km21 com sobras. Assim poderá baixar  uns minutos na segunda parte que é menos “pesada”. Recomento essa estratégia para todos os corredores que tem ótimo controle de ansiedade e ritmo, que buscam atingir ótimo resultados de tempo.

Progressão de ritmo a cada 10k: para esse tipo de progressão eu sugiro separar a prova de 10,5 em 10,5km e ir aumentando gradativamente o ritmo em cada uma dessas etapas. Assim você irá ganhando confiança e também poderá controlar o aumento do ritmo em cada fase da prova, evitando ter desgaste muito forte. Esta progressão gera um controle melhor da ansiedade e com isso vai gerar bom resultado final. Recomendo para iniciantes que estão com pouco confiança e muita ansiedade.

Correr forte os primeiros 21k:  a estratégia de correr forte o começo para gerar uma “gordura no final”, é planejamento de grande risco que só indico para quem tem ótima performance, que esteja bem treinado, tenha de um grande conhecimento do próprio corpo em maratonas, pois a chance de dar errado e quebrar no final é alta. Corredores experientes e rápidos conseguem manter um ritmo forte mesmo com grande nível de desgaste e completam a prova com bons tempos, mas um nível altíssimo de desgaste.

Escolha bem a sua estratégia e tenha uma ótima maratona. Vamos correr!!!!!

É diretor Técnico da Life Training Assessoria Esportiva, formado em Educação Física UNIb e pós-graduado em Fisiologia do Exercício CEMAFE/USP. 

Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não necessariamente refletem a opinião e posição do Jornal Corrida.