Hoje inicio uma nova fase aqui, no Corrida. Uma fase em que pretendo compartilhar com vocês um pouco mais sobre a minha visão desse Universo riquíssimo que contempla o esporte que tanto amamos: a corrida. Como tudo o que é feito no Jornal Corrida, esse também é um espaço que será construído com paixão, dedicação e que é totalmente aberto para todos que quiserem participar. Esse espaço não é só meu. Ele é nosso e quero muito que vocês me ajudem a construir algo com a nossa cara, que fale de atleta para atleta. Afinal, somos todos atletas!

Antes de começar esse texto, fui rever em meus arquivos tudo o que já escrevi para o Corrida ao longo da nossa história e me surpreendi ao ver que escrevi o meu primeiro texto por aqui em Junho de 2012. De lá pra cá, muitas coisas aconteceram. Muitas mesmo. De um episódio de quase morte a vários recomeços na corrida e no Corrida, desistência em prova, recordes pessoais, cobertura em prova internacional. É, foram muitas emoções. E é muito bom estar de volta.

Agora que já “falei” um tantão, vou me apresentar para quem ainda não me conhece. Sou a Aline Oliveira, meu primeiro contato com a corrida foi em 2007, quando eu passava uma temporada de estudos na Europa e inventei de começar a correr em pleno inverno. Foram apenas 4 ou 5 treinos, em temperaturas abaixo de 0°C, que não deram em nada além de dores, falta de fôlego e ranço da corrida. Mas em 2008, já no Brasil, resolvi dar uma nova chance para a corrida e investi numa assessoria. Não foi fácil começar. Mas foi nessa época que corri minha primeira prova e, apesar de preferir correr na esteira (sim, tive essa fase!) me permiti aprofundar nesse esporte e fui me apaixonando.

De lá pra cá, foram infinitas provas, muitos desafios e superações, casos engraçadíssimos, algumas lesões, longos muito longos e solitários, treinos de galera e divertidíssimos, troca de assessoria de corrida, vida fitness e nada fitness também, muitas amizades, congressos de corrida (até palestra já dei!), produção de provas e por aí vai. Afinal, em 11 anos (conto só a partir de 2008) muitas coisas acontecem em qualquer área das nossas vidas, não é mesmo?

Mas a real é que não coloco um tênis nos pés e saio para correr desde fevereiro de 2017. Mentira! Participei de 2 provas recreativas de um ex-cliente em junho e dezembro de 2017 e dei uns trotes na esteira da academia ano passado. Isso conta? Parei oficialmente de correr após a Uphill de 2016. Mas tentei voltar a treinar em 2017 e não foi possível por conta das lesões nos quadris, joelhos e ombros (sim, muitas lesões mesmo). Nessa época, trabalhava com esportes e estar nesse meio, alimentava meu apetite por boas histórias de superação. Até janeiro deste ano trabalhei nos bastidores de grandes eventos esportivos de norte a sul do Brasil e aprendi muito sobre várias modalidades esportivas. Trabalhava muito e acabei deixando de lado a vontade de voltar a correr, além dos cuidados comigo. Mas a vontade de voltar está grande e as recomendações médicas já estão sendo seguidas. Espero contar em breve, que estou de volta!

Enquanto não volto às pistas, vamos conversando sobre causos de provas, histórias inspiradoras e bastidores também. Afinal, corrida engloba muitas coisas! Eu curto muito falar de histórias que nos inspiram. Mas não só sobre aqueles super atletas que a gente se acostumou a ver nos pódios. Gosto de falar sobre pessoas comuns, como eu e você. Gosto de contar sobre o que nos motiva a ir em frente, sobre os desafios que enfrentamos para seguir no esporte.

Sabe quando a gente para pensar nos desafios que tem enfrentado e no quanto somos fodas? Pois é. Gosto de falar disso. No próximo post, vou contar um pouco da minha história com a corrida. Mas não curto ficar falando só sobre a minha vida. Que tal me contar da sua? Ou daquele amigo foda que te inspira a treinar mais e melhor? Conte-me! Clique neste link e me conta uma história inspiradora! Além de amar ler histórias assim, gosto de escrever sobre pessoas que me inspiram e emocionam!

Por hoje, é só! Em breve, volto para falarmos mais de corrida!

É relações Públicas por profissão e corredora por opção.

Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não necessariamente refletem a opinião e posição do Jornal Corrida.