Eventos

A São Silvestre por Marilson Gomes, o especialista

sãosilvestre
por Redação

Chegou! O dia 31 de dezembro está logo ali. Para mais de 25 mil corredores brasileiros é hora de rumar para a Avenida Paulista e participar daquela que é a mais tradicional prova de pedestrianismo do Brasil: a São Silvestre. E dessa prova Marilson Gomes dos Santos entende. Para entrevistar o campeão, o Jornal Corrida convidou outro especialista: Vicent Sobrinho, um dos principais maratonistas entre os jornalistas do país, acumula vitórias na categoria imprensa das mais importantes corridas do calendário nacional. Confira a entrevista:

Ele foi três vezes campeão da competição. Foi também o último brasileiro a subir no pódio montado nas escadarias da TV Gazeta, em 2011. Venceu ainda em 2003 e 2005. Marilson é um dos mais experientes corredores do Brasil, com inúmeras vitórias em provas de pista (5000 e 10000 mil metros), e também de rua. Nos últimos anos se especializou em maratonas. Venceu por duas vezes os 42.195 metros mais populares do planeta: a Maratona de New York. É o único sul-americano a vencer essa tradicional prova. E nos recebeu para um bate-papo tranquilo, marcado pela excessiva simpatia e simplicidade do atleta.

Está chegando o dia “D”. Aquele momento que o corredor se preparou o ano inteiro. O que significa, o que é mais importante agora?
Tranquilidade! Eu sou muito tranquilo, nos dias que antecedem as provas, mesmo sendo a São Silvestre, reajo sempre com tranquilidade,  é importante relaxar, dormir bem.

É possível fazer isso mesmo antes de uma prova decisiva?
A ansiedade sempre existe, o fator principal é chegar no dia da prova bem, inteiro, se você fez tudo certinho, treinou com segurança, dará tudo certo. São os treinos que nos oferecem essa confiança!

Qual sua estratégia para chegar bem numa prova?
Normalmente, uns 10 ou 15 dias antes, eu fazia um teste num percurso semelhante para saber como irei reagir, como está o corpo, é um toque final para o dia da prova.

E o nervosismo? Você nunca ficou nervoso?
Sim, lógico! Faz parte e por mais que você tenha experiência, que eu tenho corrido no Brasil, ou no exterior, no dia “D” o friozinho na barriga é inevitável. Acho que um dos segredos é saber controlar isso. Senão nós mesmos acabamos estragando a prova antes da hora, atrapalhando aquele que seria o grande dia de correr participando com qualidade, conforme foi planejado.

Até que ponto a forma de pensar pode interferir numa prova?
Para um corredor que busca tempo, não há outro evento esportivo na mesma data. É o principal evento do mês, é importante saber que a parte mental tem que te ajudar, senão ela pesará muito. Eu cheguei a vencer uma das edições da São Silvestre principalmente por saber não desesperar e manter o equilíbrio emocional. O que você fizer naqueles quilômetros irá refletir não só naquele dia, mas em toda sua via esportiva, seja profissional ou amador.

Qual a estratégia para antes a prova?
Cada prova é única. Mas, pessoalmente, eu sempre fui atrevido, se estou preparado, não tomo conhecimento, vou na minha, disparo e quem quiser vir atrás que venha, se eu estou me sentindo bem, não me preocupo com nada, vou até onde posso, os quenianos são muito assim também!

Como foi quando subiu pela primeira vez no pódio da São Silvestre?
Exatamente dessa forma. O Paul Tergat já era um nome a ser batido. Eu arrisquei tudo, abri uma certa vantagem e eles vieram buscar só no meio da Brigadeiro. Era minha segunda participação na São Silvestre e subi em 4º colocado. Foi um aprendizado, eu estava começando, corria sem compromisso. Curti a prova. Foi a que mais aproveitei.

E chegar em primeiro, como foi?
A primeira vitória foi em 2003 e a última foi 2011. São oito anos de diferença de uma vitória para outra, com o titulo também em 2005. Correr a São Silvestre passou a ser com muito mais responsabilidade.

Qual é a sua dica para quem irá largar na Paulista, dia 31 de dezembro?
A dica que eu dou é o que sempre faço: não invente nada. Faça o que você faz sempre, não mude nada no dia, nem na semana da prova. A sua corrida tem que ser uma continuidade de seus treinamentos, não importa. Assim é para tudo, alimentação, hidratação, descanso. Tem que fazer o que você vem realizando na semana, no mês e boa prova!

Principais títulos
2003 – campeão da Corrida de São Silvestre
2005 – campeão da Corrida de São Silvestre
2006 – campeão da Maratona de Nova York
2008 – campeão da Maratona de Nova York e da Meia Maratona do Rio de Janeiro
2010 – campeão da Corrida de São Silvestre

Melhores marcas
5.000 m – 13:19.43
10.000 m – 27:28.12
Meia Maratona – 59:33
Maratona – 2:06:34

Fonte: IAAF

 
foto: Satiro Sodre/AGIF/Folhapress