O José Eduardo Garcia, que corre com a camisa do Brasil na foto acima, vive realizando o sonho que para muitos parece distante e impossível: viajar para correr provas e maratonas pelo mundo afora. Só em 2016 num intervalo de 3 semanas, ele completou 3 provas em 3 diferentes países da Europa. Louco? Magnata? Herdeiro de algum milionário? Não, nada disso. Tudo é uma questão de organização e prioridade.

O Zé Eduardo, como chamamos aqui na redação, é analista de projetos financeiros e corredor desde 2005 – além de blogueiro do Jornal Corrida. Casado, pai de família, virou maratonista em 2011. Só neste ano, já perdemos a conta de quantas provas de 42 km ele fez. Faz parte do seleto grupo “Marathon Maniacs”, que reúne os loucos pelos 42 km do mundo todo e acaba de receber o certificado de “Marathon Globetrotters”, pois já conclui 10 maratonas e 10 diferentes países (Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, EUA, Espanha, França, Alemanha, Holanda e Bélgica).

Fôlego e condições físicas para fazer mais de 3 maratonas por ano ele já provou que tem. Mas como correr em tantos lugares históricos, exóticos ou simplesmente distantes assim? “Sempre procuro conciliar provas interessantes com lugares legais para fazer turismo”, conta. Já foi para Boston, Chicago, Nova York. Nos últimos 9 meses foi aos EUA (correr a Little Rock), Londres e acaba de chegar de Ushuaia. Na última viagem para a Europa, ele passou por Berlim (Alemanha), Bruxelas (Bélgica – na foto) e Eindhoven (Holanda). Para ele, o gasto mais representativo são as passagens aéreas, “e no geral eu aproveito milhas, coisa que muito brasileiro não está acostumado a fazer. Tem gente que perde oportunidade de viagens legais sem saber, porque não sabe usar as milhas acumuladas”.

Fora isso, “me organizo e sempre pesquiso em sites estrangeiros, me cadastro para receber alerta de promoções. Já comprei passagens de um país para outro dentro da Europa por apenas 10 euros”.

 

TUDO É PLANEJAMENTO

Ter um objetivo claro faz toda a diferença na hora de poupar e isso você já tem: correr num lugar dos sonhos. Provavelmente você vai perceber que a maioria dos princípios gerais a serem seguidos na hora de economizar podem ser aplicados também por aqueles que desejam investir no treinamento de corrida.

A primeira coisa a fazer é traçar uma meta de forma detalhada. Afinal, são tantos destinos incríveis que fica mesmo difícil escolher e não há o risco de se perder entre tantas possibilidades. Obviamente isso não quer dizer que o objetivo não possa ser mudado ao longo do “trajeto”, mas é importante que essa alteração seja feita de forma equilibrada.

Enquanto faz sua pesquisa e antes mesmo de decidir para onde quer ir, comece a poupar. Mas é fundamental dar um passo de cada vez. Se você não está acostumado a guardar dinheiro não aposte que vai adquiri-lo de um dia para o outro, pois seria como se você estivesse começando a correr e imediatamente se inscrevesse numa prova de longa distância. Na prática isso só o desanimaria e talvez o fizesse pensar que correr “não é para você”. Portanto, vá devagar: separe uma pequena quantia mensal e reserve em uma conta separada logo que você receber seu pagamento. O valor não precisa ser alto, o mais importante é treinar para tornar costume de poupar parte da sua rotina. Se você cultivar esse hábito, passará a juntar dinheiro de forma mais rápida, sem sofrimento.

Uma vez que você já tem clareza do lugar para onde pretende ir, é importante fazer uma primeira cotação, pesquisando (sites de viagens são boas opções) preços de passagens, hospedagem, alimentação e inscrição de provas. Nessa hora, pode ser muito útil bater um papo com quem já viajou para o lugar onde você pretende ir e pedir informações. A experiência alheia costuma oferecer excelentes pistas para nos organizarmos.

Com mais dados, é preciso voltar às contas e descobrir quanto realmente vai precisar e, com isso, tomar uma providência básica: dividir o total pelo número de meses que você irá levar para atingir esse valor. Se quer correr na Europa daqui a um ano e vai precisar de R$ 6 mil, por exemplo, deve juntar pelo menos R$ 500 por mês durante este período para conseguir realizar seu sonho. Mas vale lembrar um conselho frequentemente dado pelos economistas e consultores financeiros: independentemente dos seus projetos, para conquistar a independência financeira ao longo dos anos é importante guardar aproximadamente 15% de tudo o que você ganha

Em especial nessa fase, tome cuidado com as dívidas. O ideal é quitar os débitos antes de iniciar o projeto de guardar dinheiro para realizar um sonho. Se isso não for possível, procure se organizar de forma a não fazer mais dívidas, especialmente as que implicam o pagamento de juros.

 

NA PONTA DO DEDO

Comece a anotar seus gastos. Faça isso detalhadamente, dia após dia. Crie um arquivo no celular ou no computador para os registros. Recorrer a um aplicativo que funcione como gerenciador financeiro (como meudinheiro, por exemplo) pode ser bastante útil para ter uma visão geral das suas finanças e controlar com exatidão quanto gastou e quanto pretende economizar. Mas atenção: é frequente que nesse momento as pessoas percebam que gastam com coisas absolutamente desnecessárias. Portanto, cuidado com a animação excessiva: não caia na armadilha de cortar, num momento de impulso, tudo aquilo que pode parecer supérfluo, mas lhe traz alegria, como o café na padaria com os amigos, por exemplo, pois se a vida ficar muito dura você corre o risco de desistir no meio do caminho. Só leve em conta que não precisa tomar café na padaria todos os fins de semana, pode fazer isso metade das vezes que costuma fazer…

Aliás, contar com os amigos pode ser uma ótima ideia: se outros corredores também se encantarem com a ideia da viagem vocês podem formar um grupo e se empenhar juntos em guardar dinheiro. Além de a aventura em si ficar muito mais animada e barata (na hora de dividir refeições e quartos em hotéis, por exemplo), um ajuda o outro e, em turma, fica até mais divertido encontrar alternativas baratas de passeios em sua durante o período de economia.

 

APRENDA A FAZER BOAS TROCAS

Pensou em comprar um terceiro tênis? Questione: vale mesmo a pena? Viu uma camiseta linda na vitrine da loja e imaginou que ela ficaria ótima em você? Pense duas vezes e se faça duas perguntas: Primeira: Você precisa realmente dela? Segunda: Ter mais essa peça no seu guarda-roupa fará você mais feliz? Se a resposta sincera for sim, muito bem, vá em frente e compre. Se for não, separe exatamente a quantia que você pagaria pela mercadoria – mesmo que seja pequena – e guarde o valor em sua “poupança corrida dos sonhos”. Será uma quantia extra que você poderá usar para um passeio a mais quando estiver viajando.

 

ARRUMANDO A MALA

– Estabeleça um objetivo claro.
– Pesquise para saber quando precisará gastar.
– Converse com pessoas que já fizeram a mesma viagem.
– Anote todos os seus gastos e veja em que pode economizar.
– Calcule quanto terá de poupar por mês e por quanto tempo.
– Evite fazer novas dívidas e, de preferência, pague as que já tiver.
– Conte com ajuda de amigos para economizarem juntos.
– Evite consumos supérfluos e use o que economizar na viagem.
– Não retire todos os prazeres do dia a dia, isso vai desmotivá-lo.
– Peça ajuda do gerente do banco sobre formas de poupar.